NOTA À IMPRENSA

E-mail Imprimir PDF

Sobre a citação de meu nome e do meu irmão, o governador Tião Viana, na chamada lista do procurador-geral da República, conforme relatos da imprensa nesta quinta-feira, 16 de fevereiro, sem que sequer tenhamos sido notificados, destaco:

O Brasil vive a mais grave crise de sua representação política, com nocivas consequências para a vida social e econômica do país. Tal crise atinge a todos os partidos e coligações com tamanha profundidade que, sem exceção, todos os políticos precisam dar explicações à opinião pública.

A classe política deve mesmo um pedido de desculpas à sociedade. Não promovemos as mudanças necessárias no sistema político tão importantes para nossa democracia. Agora, detentores de mandato e partidos, como PMDB, PSDB, PT, DEM, PSD, PSB, PRB e PP, entre tantos outros, estão envolvidos nesse escândalo. 


Sem ocupar cargo público, fui candidato em 2010 e fiz uma campanha que custou R$ 968,1 mil, dos quais R$ 280 mil foram repassados a outros candidatos. Os recursos foram declarados e minhas contas, aprovadas pela Justiça Eleitoral, de acordo com a legislação vigente.

Devo o meu mandato de senador ao povo do Acre, pelo reconhecimento ao trabalho que fiz como prefeito e governador. No Senado, tenho procurado sempre honrar a missão dada pelos que me elegeram, trabalhando pelo meu Estado e pelo Brasil.

Meu irmão, o governador Tião Viana, é um exemplo de correção no exercício nos mandatos que o povo do Acre lhe confiou. Sempre foi um homem público de imensa capacidade de trabalho e honestidade. Não tenho dúvidas que também ele será inocentado, como ocorreu no ano passado, quando foi absolvido pelo Superior Tribunal de Justiça, diante de acusações infundadas.

Sei que todos temos a obrigação de combatermos verdadeiramente a corrupção no país. Chegou a hora de promovermos uma reforma política profunda e construir uma nova governança para o dinheiro público, especialmente na relação com a iniciativa privada.

A hora é de encararmos a crise e darmos satisfação ao povo. O Brasil deve confiar nas instituições, sobretudo no Judiciário, no Ministério Público Federal e na Polícia Federal, sem deixar de lado as preocupações com eventuais ações seletivas e abuso de autoridade.

Quero e vou seguir trabalhando por um Brasil melhor.

Nada devo e nada temo. Confio na Justiça.

Senador Jorge Viana (PT-AC)

 

Mais Notícias

Um encontro para pensar Rio Branco e o Acre

Dando sequência a uma séria de conversas e visitas que tem feito durante o recesso parlamentar, o se...

Movimentos sociais anunciaram que estarão em Porto Alegre durante o julgamento do ex-presidente Lula

Diversos movimentos sociais anunciaram que estarão em Porto Alegre durante o julgamento do ex-presid...

Jorge Viana rechaça pressão pelo fim da neutralidade na internet

Relator da política de banda larga, senador alerta que mudança adotada pelos Estados Unidos vai prej...

Jorge Viana quer voos extras para o Acre

Da tribuna do Senado, parlamentar pede às empresas aéreas que destinem mais passagens e linhas aérea...

Jorge Viana terá Nazareth Araújo como primeira suplente na candidatura para o Senado

Durante o lançamento da chapa majoritária da Frente Popular do Acre realizado no auditório da Biblio...

A Globo, do outro lado do paraíso

Chamada por uma parte da sociedade brasileira de “golpista”, por outra parte de “comunista”, o momen...

Jorge Viana participa da Conferência do Clima e teme retrocessos ambientais no Brasil

Presidente da Comissão de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, parlamentar acreano lidera dele...

Solidário com prefeito, Jorge Viana critica ambiente de intolerância

  Da tribuna do Senado, parlamentar lamenta ação espetaculosa e constrangimento desnecessário ...

Nota do Senador Jorge Viana

Sobre a operação deflagrada nesta segunda-feira por órgãos de controle, quero reiterar minha inteira...

Jorge Viana: “Não dá para conviver com a pobreza numa das mais ricas regiões do mundo que é Amazônia

O senador Jorge Viana (PT) esteve no Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, nesta quinta, 26, e p...