Jorge Viana eleito presidente da Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas do Congresso

E-mail Imprimir PDF

No Dia Internacional da Água, senador do PT estará à frente dos debates sobre aquecimento global no parlamento. O deputado Sergio Souza será o relator

O senador Jorge Viana (PT-AC) foi eleito, no início da tarde desta quarta-feira, 22, por aclamação, presidente da Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas, defendendo o compromisso de ampliar os debates sobre clima e acompanhar o cumprimento das metas do acordo global para a redução de gases de efeito estufa. “A agenda do clima não é uma obrigação, mas uma oportunidade para mudarmos a matriz da indústria e promovermos uma economia de baixo carbono”, disse Viana.

Junto com o senador, foram eleitos vice-presidente da comissão o deputado Daniel Vilela (PMDB-GO) e, para a relatoria, o deputado Sérgio Souza (PMDB-PR). Desde 2009, o Congresso instalou a comissão, em caráter permanente, para acompanhar, monitorar e fiscalizar as ações referentes às mudanças climáticas no país. A comissão é integrada por 11 deputados e 11 senadores, com mandato de dois anos e direito a uma única recondução. A nova eleição coincidiu com a celebração do Dia da Água, comemorada neste 22 de março. A próxima sessão da comissão será em 6 de abril.

Viana comentou que o impacto do aquecimento global já está trazendo mudanças climáticas severas, com seca e estiagem em diversas regiões do planeta. “Não temos mais tempo, os sinais de mudança do clima já chegaram”, advertiu. “Em Brasilia, estamos enfrentando um racionamento de água”. Ele lembrou que o Brasil tem condições de liderar as discussões para o mundo, tendo 12% da água do planeta e a maior floresta tropical do mundo.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a escassez de água afeta mais de 1,2 bilhão de pessoas no mundo e reverter o quadro é chave no combate à pobreza. Há volume de recursos hídricos suficiente para atender as necessidades, mas isso requer alteração drástica na forma como o recurso fornecido pela natureza é usado, administrado e destinado.

TRANSPARÊNCIA

Jorge Viana disse que vai convidar especialistas do setor para participar de audiências públicas a fim de debater e permitir o acompanhamento da sociedade, garantindo transparência absoluta às políticas de mudanças climáticas. “Nunca houve um acordo global tão importante quanto este tema, que mobiliza o mundo e colocou 200 nações em torno de uma mesa de trabalho”, lembrou.

O Brasil assumiu compromissos junto à 21ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP21) como o único país em desenvolvimento a buscar a redução absoluta de emissões de gases de efeito estufa para conter o aquecimento global. O país prometeu reduzir em 37%, até 2025, e em 43%, até 2030, as emissões de gases do efeito estufa. O Brasil pretende zerar o desmatamento na Amazônia e restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030, uma área equivalente ao território da Inglaterra.

“Assumo o compromisso de me dedicar intensamente ao tema”, disse o parlamentar, logo após a eleição. “Estou preocupado com o momento que vivemos com o aumento do desmatamento ilegal, o que vem ocorrendo nos últimos dois anos. Isso afeta diretamente o cumprimento das metas que o Brasil assumiu”.

O senador ressaltou que todos os povos do planeta querem entender o que está acontecendo e vem cobrando transparência das nações. “O acordo precisa alcançar o seu propósito, que é a redução da emissão dos gases de efeito estufa”, destacou. “É uma obrigação dos países, mas, mais do que isso, uma oportunidade para construirmos uma sociedade global de baixo carbono e que busca a sustentabilidade”.

MATRIZ ENERGÉTICA

Jorge Viana anunciou que pretende trazer um debate para promover mudanças no transporte coletivo de massas. “É possível e salutar que possamos discutir o transporte elétrico de massas e outras soluções tecnológicas que tragam inovação para chegarmos à emissão zero de carbono”, comentou.


O Brasil tem uma matriz energética limpa, com forte participação de fontes renováveis, mas ainda mantém altas emissões decorrentes de mudanças do uso da terra, particularmente de desmatamentos e queimadas. O Brasil é o quarto maior emissor de gases de efeito estufa no planeta. Relativamente às emissões nacionais, 22,5% decorrem da queima de combustíveis fósseis, ao passo que as mudanças de uso da terra respondem por 75% das emissões de CO².

 

foto2203

 

 

 

Mais Notícias

Solidário com prefeito, Jorge Viana critica ambiente de intolerância

  Da tribuna do Senado, parlamentar lamenta ação espetaculosa e constrangimento desnecessário ...

Nota do Senador Jorge Viana

Sobre a operação deflagrada nesta segunda-feira por órgãos de controle, quero reiterar minha inteira...

Jorge Viana: “Não dá para conviver com a pobreza numa das mais ricas regiões do mundo que é Amazônia

O senador Jorge Viana (PT) esteve no Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, nesta quinta, 26, e p...

“Amazônia está trazendo foco para agenda verde ambiental”, diz Jorge Viana

O senador do Acre, Jorge Viana, esteve presente na Câmara de Meio Ambiente do 16° Fórum de Governado...

Jorge Viana defende mais recursos e investimentos em Ciência e Tecnologia

Para senador, investimentos no setor de pesquisas e inovações são fundamentais para crescimento de u...

Jorge Viana condena cortes no Orçamento do meio ambiente

  Senador alerta para riscos na fiscalização ambiental por conta dos cortes na proposta orçame...

Jorge Viana destaca potencial do bambu para o Acre

Senador saúda entrada do Brasil em organização multilateral que incentiva exploração econômica da es...

Jorge Viana anuncia R$ 14,7 milhões em emendas para o Acre

Senador ligou para 22 administradores comunicando a alocação de recursos no Orçamento de 2018. “É mi...

Comissão sobre Mudanças Climáticas vai promover evento na COP 23, em Bonn

Jorge Viana confirma audiência, em 15 de novembro, durante Conferências das Partes, na Alemanha, par...

Jorge Viana quer lei de transparência para juros

Projeto do senador obriga instituições financeiras a divulgarem as taxas de juros, mensais e anuais,...