Jorge Viana eleito presidente da Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas do Congresso

E-mail Imprimir PDF

No Dia Internacional da Água, senador do PT estará à frente dos debates sobre aquecimento global no parlamento. O deputado Sergio Souza será o relator

O senador Jorge Viana (PT-AC) foi eleito, no início da tarde desta quarta-feira, 22, por aclamação, presidente da Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas, defendendo o compromisso de ampliar os debates sobre clima e acompanhar o cumprimento das metas do acordo global para a redução de gases de efeito estufa. “A agenda do clima não é uma obrigação, mas uma oportunidade para mudarmos a matriz da indústria e promovermos uma economia de baixo carbono”, disse Viana.

Junto com o senador, foram eleitos vice-presidente da comissão o deputado Daniel Vilela (PMDB-GO) e, para a relatoria, o deputado Sérgio Souza (PMDB-PR). Desde 2009, o Congresso instalou a comissão, em caráter permanente, para acompanhar, monitorar e fiscalizar as ações referentes às mudanças climáticas no país. A comissão é integrada por 11 deputados e 11 senadores, com mandato de dois anos e direito a uma única recondução. A nova eleição coincidiu com a celebração do Dia da Água, comemorada neste 22 de março. A próxima sessão da comissão será em 6 de abril.

Viana comentou que o impacto do aquecimento global já está trazendo mudanças climáticas severas, com seca e estiagem em diversas regiões do planeta. “Não temos mais tempo, os sinais de mudança do clima já chegaram”, advertiu. “Em Brasilia, estamos enfrentando um racionamento de água”. Ele lembrou que o Brasil tem condições de liderar as discussões para o mundo, tendo 12% da água do planeta e a maior floresta tropical do mundo.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a escassez de água afeta mais de 1,2 bilhão de pessoas no mundo e reverter o quadro é chave no combate à pobreza. Há volume de recursos hídricos suficiente para atender as necessidades, mas isso requer alteração drástica na forma como o recurso fornecido pela natureza é usado, administrado e destinado.

TRANSPARÊNCIA

Jorge Viana disse que vai convidar especialistas do setor para participar de audiências públicas a fim de debater e permitir o acompanhamento da sociedade, garantindo transparência absoluta às políticas de mudanças climáticas. “Nunca houve um acordo global tão importante quanto este tema, que mobiliza o mundo e colocou 200 nações em torno de uma mesa de trabalho”, lembrou.

O Brasil assumiu compromissos junto à 21ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP21) como o único país em desenvolvimento a buscar a redução absoluta de emissões de gases de efeito estufa para conter o aquecimento global. O país prometeu reduzir em 37%, até 2025, e em 43%, até 2030, as emissões de gases do efeito estufa. O Brasil pretende zerar o desmatamento na Amazônia e restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030, uma área equivalente ao território da Inglaterra.

“Assumo o compromisso de me dedicar intensamente ao tema”, disse o parlamentar, logo após a eleição. “Estou preocupado com o momento que vivemos com o aumento do desmatamento ilegal, o que vem ocorrendo nos últimos dois anos. Isso afeta diretamente o cumprimento das metas que o Brasil assumiu”.

O senador ressaltou que todos os povos do planeta querem entender o que está acontecendo e vem cobrando transparência das nações. “O acordo precisa alcançar o seu propósito, que é a redução da emissão dos gases de efeito estufa”, destacou. “É uma obrigação dos países, mas, mais do que isso, uma oportunidade para construirmos uma sociedade global de baixo carbono e que busca a sustentabilidade”.

MATRIZ ENERGÉTICA

Jorge Viana anunciou que pretende trazer um debate para promover mudanças no transporte coletivo de massas. “É possível e salutar que possamos discutir o transporte elétrico de massas e outras soluções tecnológicas que tragam inovação para chegarmos à emissão zero de carbono”, comentou.


O Brasil tem uma matriz energética limpa, com forte participação de fontes renováveis, mas ainda mantém altas emissões decorrentes de mudanças do uso da terra, particularmente de desmatamentos e queimadas. O Brasil é o quarto maior emissor de gases de efeito estufa no planeta. Relativamente às emissões nacionais, 22,5% decorrem da queima de combustíveis fósseis, ao passo que as mudanças de uso da terra respondem por 75% das emissões de CO².

 

foto2203

 

 

 

Mais Notícias

Nota de pesar

O professor Marco Aurélio era um intelectual e militante apaixonado pela política, um perseverante s...

Jorge Viana participa de encontro e se diz otimista com política ambiental no Acre

Senador participou da avaliação do programa REDD no Acre e defendeu inspiração nos povos indígenas p...

Jorge Viana lamenta aprovação da reforma trabalhista

Senador denunciou retrocesso imposto pelo trabalho intermitente, proposto pelo governo na proposta q...

Jorge Viana critica reforma trabalhista

Senador chama proposta de “Frankenstein” e aponta que Temer não tem condições de levar o país adiant...

Jorge Viana alerta para tensão em Xapuri

Senador denuncia ameaças a posseiros na reserva extrativista Chico Mendes, lembrando a morte do ambi...

Jorge Viana apresenta emendas na LDO para garantir manutenção das BRs 317 e 364

O senador Jorge Viana (PT-AC) apresentou várias emendas ao projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária...

Bancada acreana denuncia tentativa de garimpo no Juruá

Durante audiência com senadores, deputados e vereadores de Cruzeiro do Sul, ministro das Minas e Ene...

Jorge Viana eleito para Vice-Presidência da Comissão de Orçamento

Parlamentar acreano foi indicado pela bancada do PT e definido como relator setorial para Ciência e ...

Jorge Viana quer ampliação de banda larga no Acre

Senador diz que a questão é estratégica para o futuro do país, lembrando que o Brasil está atrasado ...

Jorge Viana garante empenho de R$ 4,4 milhões de emendas para governo e prefeituras

Recursos atenderão dez prefeituras, comandadas por diferentes partidos, inclusive de oposição, além ...