Jorge Viana lamenta aprovação da reforma trabalhista

E-mail Imprimir PDF

Senador denunciou retrocesso imposto pelo trabalho intermitente, proposto pelo governo na proposta que recebeu 50 votos favoráveis


O senador Jorge Viana criticou duramente, na noite desta terça-feira, 11 de julho, a aprovação do projeto de reforma trabalhista, que altera mais de 200 dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). “O Brasil precisa de uma reforma trabalhista, mirando o futuro para os nossos jovens, garantindo a competitividade. Mas não é isso que estamos fazendo”, lamentou. 


“Estamos retomando a exploração do trabalhador, num retrocesso amplo, porque estamos voltando para os tempos de antes da CLT”, criticou. “O Senado Federal está cometendo um ato que nos tira dessa história bonita de 74 anos da legislação trabalhista. O Senado ficou do lado errado da história”. Senadoras da oposição chegaram a bloquear a votação do projeto durante mais de sete horas, durante a tarde desta terça-feira, ocupando a Mesa e impedindo a votação do projeto. A discussão sobre a proposta foi retomada no início da noite e aprovada.   


Viana criticou o fato de o Senado ter votado o projeto que altera a legislação trabalhista sem que pudesse mudar qualquer dispositivo do texto já aprovado pela Câmara. “Se a proposta é nossa, por que não podemos fazer uma mínima alteração?”, questionou. “Estamos nos omitindo diante de uma legislação fundamental. Talvez fosse melhor que estivéssemos votando aqui o projeto de diretas já, para antecipar as eleições e conseguir tirar o país da crise”. 


O senador argumentou que para encarar o futuro que se descortina e abrir espaço para uma nova economia do século 21, seria necessário votar o marco das comunicações e outras propostas e não enterrar a proteção dos trabalhadores estabelecida pela legislação trabalhista. “Muitas profissões vão desaparecer e nós nem discutimos nada disso”, disse. Viana lembrou que 60% das crianças que estão hoje na escola vão trabalhar em profissões que não existem ainda.


“Tenho honra de ser senador e estar aqui representando o meu Estado. Estou triste de estar na tribuna e na hora que temos o pior governo da história do país, o governo mais impopular de todos os tempos, que virou sinônimo de negociatas da pior qualidade, que divide o país, o Senado resolve assumir um papel, do lado errado da história e se omitir”, denunciou.

img110717

 

Mais Notícias

Um encontro para pensar Rio Branco e o Acre

Dando sequência a uma séria de conversas e visitas que tem feito durante o recesso parlamentar, o se...

Movimentos sociais anunciaram que estarão em Porto Alegre durante o julgamento do ex-presidente Lula

Diversos movimentos sociais anunciaram que estarão em Porto Alegre durante o julgamento do ex-presid...

Jorge Viana rechaça pressão pelo fim da neutralidade na internet

Relator da política de banda larga, senador alerta que mudança adotada pelos Estados Unidos vai prej...

Jorge Viana quer voos extras para o Acre

Da tribuna do Senado, parlamentar pede às empresas aéreas que destinem mais passagens e linhas aérea...

Jorge Viana terá Nazareth Araújo como primeira suplente na candidatura para o Senado

Durante o lançamento da chapa majoritária da Frente Popular do Acre realizado no auditório da Biblio...

A Globo, do outro lado do paraíso

Chamada por uma parte da sociedade brasileira de “golpista”, por outra parte de “comunista”, o momen...

Jorge Viana participa da Conferência do Clima e teme retrocessos ambientais no Brasil

Presidente da Comissão de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, parlamentar acreano lidera dele...

Solidário com prefeito, Jorge Viana critica ambiente de intolerância

  Da tribuna do Senado, parlamentar lamenta ação espetaculosa e constrangimento desnecessário ...

Nota do Senador Jorge Viana

Sobre a operação deflagrada nesta segunda-feira por órgãos de controle, quero reiterar minha inteira...

Jorge Viana: “Não dá para conviver com a pobreza numa das mais ricas regiões do mundo que é Amazônia

O senador Jorge Viana (PT) esteve no Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, nesta quinta, 26, e p...