Jorge Viana alerta para risco de crise institucional

E-mail Imprimir PDF

Senador diz que Aécio foi algoz do governo Dilma, mas lembra que a Constituição não prevê afastamento sem flagrante ou crime hediondo

O senador Jorge Viana (PT-AC) subiu à tribuna nesta quarta-feira, 27 de setembro, preocupado com o risco de o país mergulhar numa crise institucional por conta da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal, que decidiu afastar do exercício do mandato o ex-presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG). “Por tudo o que fez e pelas evidências, o senador merece ser julgado e, caso condenado, precisa pagar sua pena”, disse. “Não se trata aqui de defender o parlamentar, mas a Constituição Federal. O Brasil vive uma anarquia institucional. Nesses tempos de crise, todos devemos ter lealdade à Constituição”.

O parlamentar comentou desconhecer qual artigo da Constituição deu amparo à decisão da 1ª Turma do STF de propor o afastamento de um senador da República. “Não existe esse artigo na Constituição, só se for em flagrante, ou se for na prática de um crime hediondo”, advertiu. “É isso que está no artigo 53 da Constituição”. Segundo Viana, Aécio foi um dos algozes do golpe falseado de impeachment. “Ele não aceitou o resultado das eleições, fez declarações contra todos nós, terríveis, mas não é disso que estou tratando”, comentou.

“Volto a repetir que tenho muito respeito pelo Supremo Tribunal Federal, por todo o Judiciário, pelo Ministério Público, mas eles também erram”, ressaltou. Da tribuna, Viana ouviu intervenções de colegas, como Roberto Requião (PMDB-PR), Cristovam Buarque (PPS-DF), José Medeiros (Podemos-MT) e Magno Malta (PT-ES). Todos consideraram o momento grave e se disseram preocupados com o agravamento da crise política.

Viana leu trechos de artigo publicado pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, na edição desta quarta-feira do jornal Folha de S.Paulo: “Prisões provisórias que se projetam no tempo, denúncias baseadas apenas em delações de corréus, vazamentos seletivos de dados processuais, exposição de acusados ao escárnio popular, condenações a penas extravagantes, conduções coercitivas, buscas e apreensões ou detenções espalhafatosas indubitavelmente ofendem o devido processo legal em sua dimensão substantiva, configurando, ademais, inegável retrocesso civilizatório”.

O senador disse que o artigo é importante, ainda mais no atual momento, quando o país assiste “a uma verdadeira caçada” contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff. Ele ressaltou que o país assiste a delatores criminosos morando em coberturas em frente à praia, usufruindo do dinheiro roubado porque denunciaram pessoas. “O Brasil nunca cometeu tanta injustiça como agora em nome da Justiça”, advertiu. “Pode ser parte da vida humana cometer injustiça, mas o Judiciário é o guardião desta Carta, da Constituição, das leis e da justiça. Eu faço um apelo aos membros do Supremo: o Brasil está precisando neste momento do que o Supremo tem de melhor”, disse Viana.

O parlamentar acreano encerrou seu pronunciamento citando o cientista político espanhol Juán José Linz. “Ele diz que a estabilidade de um governo, da democracia, depende da lealdade que a oposição tenha à Constituição”, destacou o senador. “Faltou para os nossos opositores, lealdade à Constituição quando fizeram o impeachment. E nós agora não podemos ser desleais porque somos oposição ao governo Temer. Somos contra os desmandos. Estão vendendo o país nesse curto espaço de tempo”.

E concluiu: “Vim à tribuna porque espero que os anais registrem. Não vim para gritar, para tripudiar com um colega. Não vim aqui para ser juiz de ninguém. Não vim aqui para tentar salvar ninguém. Eu vim aqui para reafirmar o compromisso que foi meu juramento de lealdade à Constituição. Se há algo que precisa de salvamento, ser salva neste momento no Brasil é a Constituição e as leis e o Estado democrático de direito”.

img270317

 

Mais Notícias

Comissão sobre Mudanças Climáticas vai promover evento na COP 23, em Bonn

Jorge Viana confirma audiência, em 15 de novembro, durante Conferências das Partes, na Alemanha, par...

Jorge Viana quer lei de transparência para juros

Projeto do senador obriga instituições financeiras a divulgarem as taxas de juros, mensais e anuais,...

Jorge Viana saúda acordo de telefonia no Acre

Senador comemora investimentos de empresas de telefonia para ampliar os serviços de telefonia móvel ...

Jorge Viana alerta para risco de crise institucional

Senador diz que Aécio foi algoz do governo Dilma, mas lembra que a Constituição não prevê afastament...

Jorge Viana celebra investimentos na infraestrutura de telefonia no Acre

Termo de Cooperação entre governo do Acre e empresas de telecomunicação será assinado na próxima sem...

Jorge Viana alerta para risco à soberania com leilão de satélite

Em audiência pública Telebras e Aeronáutica, senador questiona venda. “Esse governo só tem 3,4% de a...

Jorge Viana apresenta requerimento para debater orçamento da BR-364

Senador Jorge Viana destacou relatório da Federação do comércio e convocação do diretor do DNIT e re...

Jorge Viana participa da posse da nova Procuradora da República Raquel Dodge

nador diz que espera firmeza e imparcialidade da nova chefe do Ministério Público Federal O senador...

Jorge Viana anuncia ato que irá marcar investimentos em telefonia móvel e internet no Acre

Senador falou sobre termo de cooperação que será assinado por dirigentes das companhias telefônicas,...

Municípios de fronteira do Acre podem virar Áreas de Livre Comércio

Proposta de autoria do senador Jorge Viana foi aprovada em comissão do Senado e pode beneficiar Assi...