Da Costa

E-mail Imprimir PDF

Jofre Barbosa da Costa se tornou sinônimo de samba do Acre. Nascido em Rio Branco, em 1930, ano da Revolução (como ele próprio lembrava), foi criado por aqui mesmo sempre ouvindo e fazendo samba. Enquanto isso sobrevivia trabalhando como pedreiro, funcionário público, inspetor de alunos, agricultor, agente cultural da Fundação Cultural e principalmente como cantor e compositor. Filho de carpinteiro e tacacazeira, a música fazia parte de sua família, na qual seu irmão mais velho, Euclides Costa, possuía um conjunto musical.

Os instrumentos de Da Costa era o afoché e o surdo, mas destaca-se mesmo cantando e compondo sambas, sozinho ou em parceria com outros músicos acreanos (como Zeca Torres, Jorge Cardoso e Antônio Ramos). Além disso, possuía em seu repertório musicas de Ataulfo Alves, Auricélio Guedes, Zé Lopes, Altair Oliveira, Ciro Monteiro e Noite Ilustrada.

Como resultado dessa atividade musical gravou vários discos e, mais recentemente, um CD que vendeu milhares de cópias no Acre. Fez shows em diversas cidades brasileiras como Rio de Janeiro, Brasília e Manaus; mas seu grande orgulho foi ter cantado junto com uma legenda do samba como o Noite Ilustrada.

Até mesmo um músico de expressão nacional como o Paulinho da Viola, reconheceu o valor e a importância de Da Costa, quando, durante o Show de inauguração do teatro Plácido de Castro (1990) homenageou o velho sambista.