E-mail Imprimir PDF
foto bio  1

Acreano, 57 anos, apaixonado pelo Acre e sua história. Engenheiro Florestal, um dos fundadores da Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac), militou em Ongs e movimentos sociais e como técnico deu assessoria à luta dos povos da floresta.

Aprendeu com Chico Mendes a lutar pela floresta e pelo desenvolvimento sustentável, ajudando a sistematizar a ideia das reservas extrativistas e introduzindo a prática do manejo sustentável. Com Lula aprendeu a importância da militância política e a priorizar e cuidar dos que mais precisam.

Sempre pelo Partido dos Trabalhadores (PT), foi Prefeito de Rio Branco de 1993 a 1996, quando trocou a ideia de administrar pela de cuidar e assim deu os primeiros passos na transformação de Rio Branco numa cidade sustentável. No final de sua administração obteve 75% de ótimo e bom, de acordo com o IBOPE, numa das melhores avaliações entre prefeitos de capitais. Foi eleito Governador do Acre por duas vezes, na primeira delas com um vice do PSDB, fortalecendo a Frente Popular do Acre (FPA). Foi o primeiro a governar o Acre por oito anos, ficando à frente do Governo da Floresta entre 1999 e 2006, quando, com grande apoio do Presidente Lula implantou um programa de desenvolvimento valorizando a floresta, a partir de uma economia de baixo carbono e alta inclusão social. Com isso alcançou, ao final do mandato, mais de 80% de ótimo e bom no Ibope e ajudou a desenvolver o conceito de florestania que virou referência dentro e fora da Amazônia.

Com a FPA e através de gestões inovadoras, mudou a política do Acre. Contando sempre com a ajuda de lideranças como Marina, Binho, Tião, Angelim e muitos outros, tirou a educação pública dos últimos lugares nas avaliações do Ministério da Educação para ficar entre as primeiras do país. Além disso, recuperou a autoestima do povo acreano com o fim do crime organizado e a valorização das nossas raízes históricas, construiu e consolidou a infraestrutura do estado interligando os diversos municípios acreanos e integrando o Brasil com a Bolívia e o Peru através da implantação da rodovia até o Oceano Pacífico.

Ainda em 1999, recebeu o prêmio de Líder para o Novo Milênio da Revista Times e TV CNN, por sua destacada atuação na área de meio ambiente. Pelo mesmo motivo, a organização WWF (Wold Wildlife Fund) concedeu-lhe o prêmio Gift to the Earth, em 2003. Jorge Viana é membro da Ordem do Rio Branco, do Itamaraty, com o Grau de Grã-Cruz. Na presença do Presidente Lula, foi agraciado pelo Presidente frances Nicolas Sarkozy com a Ordre National de la Légion d'Honneur. Foi também distinguido com a mais alta condecoração da Bolívia e Peru. Recebeu ainda, as mais elevadas distinções das Forças Armadas do Brasil: a Ordem do Mérito Militar do Exército, a Ordem do Mérito Naval da Marinha e a Ordem do Mérito da Aeronáutica. Recebeu da Justiça acreana a Medalha do Mérito Judiciário, entre outras homenagens e condecorações.

Entre 2007 e 2010, foi Presidente do Fórum de Desenvolvimento Sustentável do Acre. Também atuou na iniciativa privada participando de conselhos de empresas, sempre na área de gestão estratégica e meio-ambiente, e presidiu o Conselho de Administração da Helibrás.

No Senado

Em 2013 foi eleito Vice-Presidente do Senado e em 2015 foi reeleito para o cargo. No Parlamento, tem pautado sua atuação na política ambiental, sem deixar de lado a política. Foi escolhido relator do Código Florestal, já em processo de implantação; autor e presidente da Comissão para propor alterações no Sistema Nacional de Defesa Civil; relator do novo Marco Legal da Biodiversidade, que também já sancionado; Vice-presidente da Comissão de Reforma do Código Penal, atualmente na pauta de votação do Senado; e atualmente preside a Comissão da Reforma Política, onde defende, entre outras propostas, que seja definido um valor máximo de gastos da campanha por candidato e o fim do financiamento empresarial.

Em 2014, Jorge Viana foi eleito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), pelo quarto ano consecutivo, um dos “Cabeças do Congresso”. O levantamento, tradicional e respeitado no país, avalia a atuação de todos os senadores e deputados federais brasileiros e elege os 100 parlamentares que tiveram maior influência na política. Em sua última indicação, o parlamentar foi o único do Acre incluído na publicação.