A hipocrisia oceânica na pronúncia

E-mail Imprimir PDF

Não há muito o que dizer sobre a noite da hipocrisia. Os que decidiram levar Dilma a julgamento  fingiam cumprir  o doloroso dever de condenar uma presidente eleita por ter ela cometido crime de responsabilidade. Fingiam acreditar que pedaladas  fiscais foram um delito, e não uma prática orçamentária rotineira nos últimos governos, em que os bancos públicos desembolsam recursos e são posteriormente ressarcidos (com juros) pelo Tesouro. Fingiam não saber que os decretos “irregulares” de Dilma  apenas remanejaram recursos, que não criaram despesas novas sem autorização legislativa.  Fingiam tão completamente, como disse o poeta, que  pareciam acreditar sinceramente no que fingiam denunciar. Mereceram o que lhes disse a senadora Gleisi Hoffman ao encerrar seu discurso lembrando Tancredo Neves diante do presidente do Senado Auro Moura Andrade e seus sequazes quando, no calor do golpe de 1964, declarou vaga a presidência da República estando o presidente Goulart em território nacional. “Hipócritas, hipócritas, hipócritas”.

Nobres senadores  encalacrados na Lava Jato e em outras investigações  exaltavam o zelo republicano que teria faltado a Dilma, bradavam contra o abismo fiscal em que ajudaram a mergulhar o país com suas pautas bombas. Como se muitos deles não tivessem sido sócios do governo Dilma até às vésperas do afastamento, ocupando cargos, distribuindo favores, acumulando vantagens. Mas ali estavam, diziam,  para permitir ao país a restauração administrativa (apesar da gastança de Temer).

Bradavam contra a caracterização de golpe porque sabem também que  o impeachment  é apenas o resultado do ajuntamento de uma maioria, reunindo o PMDB e outros partidos antes aliados com a antiga oposição para derrubar Dilma e empossar o vice que conspirou e traiu. Sabem que esta é a narrativa que a História acolherá. 

 

Últimos Artigos, Notícias e Outros

Quando Lula será preso?

Nelson Jobim

Pedofilia e a PEC 64/2016

Valéria Martirena

Representação

Luis Fernando Veríssimo

Serra volta ao Senado para marcar Aécio homem a homem

Alex Solnik

“Entreguismo” poderá sepultar o golpe

Marcelo Zero

Nem a base de Temer engole a reforma previdenciária

Tereza Cruvinel

Brasil pega fogo e Temer toca harpa

Ribamar Fonseca

Vencendo a guerra contra o Aedes

Editorial Página 20

Triste e revoltante!

Editorial Página 20

Temer & Moraes: o desprezo pela opinião pública

Kotscho

Reação na Petrobras: “querem trocar a Noruega pela Nigéria”

Paulo Moreira Leite

Covardia e preconceito contra Marisa

Paulo Moreira Leite

Eros, Tanatos e o ódio à família Lula da Silva

Tereza Cruvinel

O povo quer ver trabalho com resultado

Editorial Página 20

Boulos e o guarda da esquina do AI-5

Paulo Moreira Leite

Temer perdido no caos

Alex Solnik

Sonho da elite é ter um Romero Brito na parede e uma senzala no quintal

Luis Felipe Miguel

Sombra da ditadura no horizonte

Paulo Moreira Leite

2016: o ano do golpe e do seu fracasso

Emir Sader

A guerra entre as estrelas togadas

Tereza Cruvinel

Com dom Paulo, homenagem à democracia

Paulo Moreira Leite

Aeroporto maior e melhor

Editorial Página 20

Datafolha: 63% contra o golpe dentro do golpe

Paulo Moreira Leite

As ruas vão tirar Michel Temer

Silvio Costa

O fim do "Sem Censura" e os ataques à comunicação pública

Tereza Cruvinel

171, um número que acua Temer

Tereza Cruvinel

Valorização e fortalecimento da cultura e identidade dos povos indígenas

Maria Meireles

Jorge Viana pode dar fôlego à resistência

Luis Felipe Miguel