Interrogatório de Dilma no Senado: Jorge Viana pergunta

E-mail Imprimir PDF

O senador Jorge Viana (PT-AC)  a palavra na noite desta segunda-feira (29), durante o interrogatório da presidente afastada no julgamento do impeachment, mas não fez perguntas à Dilma Rousseff. Ele afirmou, em seu discurso, que o processo de impeachment não deve ser visto como avalizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) porque é presidido pelo ministro Ricardo Lewandowski.

"Somos juízes. Estamos aqui presididos pelo ilustre ministro Ricardo Lewandowski. Isso não significa, como alguns tentam apregoar, que o Supremo Tribunal Federal está dando algum tipo de aval ao processo. Ele está aqui tão somente porque a lei é de 1950", disse ele, explicando que, no ano de aprovação da lei, o presidente do STF também presidia o Senado.

"Que tribunal é esse onde os juízes são senadores, e a acusada é presidente da República? Os juízes aqui são isentos como devem ser? Que chance há de a presidenta Dilma encontrar Justiça nesse tribunal? É isso que o Brasil deve estar se perguntando neste momento", afirmou ele.

Resposta de Dilma

Apesar de o senador Jorge Viana não ter feito perguntas, Lewandowski passou a palavra para Dilma Rousseff. A presidente afastada afirmou que "é fundamental que a oposição seja legal à Constituição", em uma alusão a escritos do sociológo Juan José Linz, e pediu que as "regras do jogo" sejam respeitas. "E a maior regra do jogo em nosso país é a Constituição. Impeachment sem crime de responsabilidade é uma violação dessa regra do jogo."

Dilma aproveitou a fala pasar fazer uma autocrítica, e voltou a defender um plebiscito que consulte a população sobre a realização de eleições diretas.

"Podemos sim melhorar nossas políticas, consertar nossos erros. (...) Mas sem enfrentar a crise política no Brasil, sem construir a estabilidade, nós não conseguiremo construir a estabilidade econômica de forma perene. Por que apoio hoje a convocação de um plebiscito que os senhores senadores aprovaram? Tenho a convicção de que o pacto político passa por ouvir o povo. Rupturas não são consertadas com expedientes que levam a eleições indiretas travestidas de processos de impeachment sem crime de responsabilidade."

 

Mais Notícias

Nota de pesar

O professor Marco Aurélio era um intelectual e militante apaixonado pela política, um perseverante s...

Jorge Viana participa de encontro e se diz otimista com política ambiental no Acre

Senador participou da avaliação do programa REDD no Acre e defendeu inspiração nos povos indígenas p...

Jorge Viana lamenta aprovação da reforma trabalhista

Senador denunciou retrocesso imposto pelo trabalho intermitente, proposto pelo governo na proposta q...

Jorge Viana critica reforma trabalhista

Senador chama proposta de “Frankenstein” e aponta que Temer não tem condições de levar o país adiant...

Jorge Viana alerta para tensão em Xapuri

Senador denuncia ameaças a posseiros na reserva extrativista Chico Mendes, lembrando a morte do ambi...

Jorge Viana apresenta emendas na LDO para garantir manutenção das BRs 317 e 364

O senador Jorge Viana (PT-AC) apresentou várias emendas ao projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária...

Bancada acreana denuncia tentativa de garimpo no Juruá

Durante audiência com senadores, deputados e vereadores de Cruzeiro do Sul, ministro das Minas e Ene...

Jorge Viana eleito para Vice-Presidência da Comissão de Orçamento

Parlamentar acreano foi indicado pela bancada do PT e definido como relator setorial para Ciência e ...

Jorge Viana quer ampliação de banda larga no Acre

Senador diz que a questão é estratégica para o futuro do país, lembrando que o Brasil está atrasado ...

Jorge Viana garante empenho de R$ 4,4 milhões de emendas para governo e prefeituras

Recursos atenderão dez prefeituras, comandadas por diferentes partidos, inclusive de oposição, além ...