Interrogatório de Dilma no Senado: Jorge Viana pergunta

E-mail Imprimir PDF

O senador Jorge Viana (PT-AC)  a palavra na noite desta segunda-feira (29), durante o interrogatório da presidente afastada no julgamento do impeachment, mas não fez perguntas à Dilma Rousseff. Ele afirmou, em seu discurso, que o processo de impeachment não deve ser visto como avalizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) porque é presidido pelo ministro Ricardo Lewandowski.

"Somos juízes. Estamos aqui presididos pelo ilustre ministro Ricardo Lewandowski. Isso não significa, como alguns tentam apregoar, que o Supremo Tribunal Federal está dando algum tipo de aval ao processo. Ele está aqui tão somente porque a lei é de 1950", disse ele, explicando que, no ano de aprovação da lei, o presidente do STF também presidia o Senado.

"Que tribunal é esse onde os juízes são senadores, e a acusada é presidente da República? Os juízes aqui são isentos como devem ser? Que chance há de a presidenta Dilma encontrar Justiça nesse tribunal? É isso que o Brasil deve estar se perguntando neste momento", afirmou ele.

Resposta de Dilma

Apesar de o senador Jorge Viana não ter feito perguntas, Lewandowski passou a palavra para Dilma Rousseff. A presidente afastada afirmou que "é fundamental que a oposição seja legal à Constituição", em uma alusão a escritos do sociológo Juan José Linz, e pediu que as "regras do jogo" sejam respeitas. "E a maior regra do jogo em nosso país é a Constituição. Impeachment sem crime de responsabilidade é uma violação dessa regra do jogo."

Dilma aproveitou a fala pasar fazer uma autocrítica, e voltou a defender um plebiscito que consulte a população sobre a realização de eleições diretas.

"Podemos sim melhorar nossas políticas, consertar nossos erros. (...) Mas sem enfrentar a crise política no Brasil, sem construir a estabilidade, nós não conseguiremo construir a estabilidade econômica de forma perene. Por que apoio hoje a convocação de um plebiscito que os senhores senadores aprovaram? Tenho a convicção de que o pacto político passa por ouvir o povo. Rupturas não são consertadas com expedientes que levam a eleições indiretas travestidas de processos de impeachment sem crime de responsabilidade."

 

Mais Notícias

Solidário com prefeito, Jorge Viana critica ambiente de intolerância

  Da tribuna do Senado, parlamentar lamenta ação espetaculosa e constrangimento desnecessário ...

Nota do Senador Jorge Viana

Sobre a operação deflagrada nesta segunda-feira por órgãos de controle, quero reiterar minha inteira...

Jorge Viana: “Não dá para conviver com a pobreza numa das mais ricas regiões do mundo que é Amazônia

O senador Jorge Viana (PT) esteve no Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, nesta quinta, 26, e p...

“Amazônia está trazendo foco para agenda verde ambiental”, diz Jorge Viana

O senador do Acre, Jorge Viana, esteve presente na Câmara de Meio Ambiente do 16° Fórum de Governado...

Jorge Viana defende mais recursos e investimentos em Ciência e Tecnologia

Para senador, investimentos no setor de pesquisas e inovações são fundamentais para crescimento de u...

Jorge Viana condena cortes no Orçamento do meio ambiente

  Senador alerta para riscos na fiscalização ambiental por conta dos cortes na proposta orçame...

Jorge Viana destaca potencial do bambu para o Acre

Senador saúda entrada do Brasil em organização multilateral que incentiva exploração econômica da es...

Jorge Viana anuncia R$ 14,7 milhões em emendas para o Acre

Senador ligou para 22 administradores comunicando a alocação de recursos no Orçamento de 2018. “É mi...

Comissão sobre Mudanças Climáticas vai promover evento na COP 23, em Bonn

Jorge Viana confirma audiência, em 15 de novembro, durante Conferências das Partes, na Alemanha, par...

Jorge Viana quer lei de transparência para juros

Projeto do senador obriga instituições financeiras a divulgarem as taxas de juros, mensais e anuais,...