Interrogatório de Dilma no Senado: Jorge Viana pergunta

E-mail Imprimir PDF

O senador Jorge Viana (PT-AC)  a palavra na noite desta segunda-feira (29), durante o interrogatório da presidente afastada no julgamento do impeachment, mas não fez perguntas à Dilma Rousseff. Ele afirmou, em seu discurso, que o processo de impeachment não deve ser visto como avalizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) porque é presidido pelo ministro Ricardo Lewandowski.

"Somos juízes. Estamos aqui presididos pelo ilustre ministro Ricardo Lewandowski. Isso não significa, como alguns tentam apregoar, que o Supremo Tribunal Federal está dando algum tipo de aval ao processo. Ele está aqui tão somente porque a lei é de 1950", disse ele, explicando que, no ano de aprovação da lei, o presidente do STF também presidia o Senado.

"Que tribunal é esse onde os juízes são senadores, e a acusada é presidente da República? Os juízes aqui são isentos como devem ser? Que chance há de a presidenta Dilma encontrar Justiça nesse tribunal? É isso que o Brasil deve estar se perguntando neste momento", afirmou ele.

Resposta de Dilma

Apesar de o senador Jorge Viana não ter feito perguntas, Lewandowski passou a palavra para Dilma Rousseff. A presidente afastada afirmou que "é fundamental que a oposição seja legal à Constituição", em uma alusão a escritos do sociológo Juan José Linz, e pediu que as "regras do jogo" sejam respeitas. "E a maior regra do jogo em nosso país é a Constituição. Impeachment sem crime de responsabilidade é uma violação dessa regra do jogo."

Dilma aproveitou a fala pasar fazer uma autocrítica, e voltou a defender um plebiscito que consulte a população sobre a realização de eleições diretas.

"Podemos sim melhorar nossas políticas, consertar nossos erros. (...) Mas sem enfrentar a crise política no Brasil, sem construir a estabilidade, nós não conseguiremo construir a estabilidade econômica de forma perene. Por que apoio hoje a convocação de um plebiscito que os senhores senadores aprovaram? Tenho a convicção de que o pacto político passa por ouvir o povo. Rupturas não são consertadas com expedientes que levam a eleições indiretas travestidas de processos de impeachment sem crime de responsabilidade."

 

Mais Notícias

Jorge Viana apresenta requerimento para debater orçamento da BR-364

Senador Jorge Viana destacou relatório da Federação do comércio e convocação do diretor do DNIT e re...

Jorge Viana participa da posse da nova Procuradora da República Raquel Dodge

nador diz que espera firmeza e imparcialidade da nova chefe do Ministério Público Federal O senador...

Jorge Viana anuncia ato que irá marcar investimentos em telefonia móvel e internet no Acre

Senador falou sobre termo de cooperação que será assinado por dirigentes das companhias telefônicas,...

Municípios de fronteira do Acre podem virar Áreas de Livre Comércio

Proposta de autoria do senador Jorge Viana foi aprovada em comissão do Senado e pode beneficiar Assi...

Jorge Viana se reúne com lideranças de Sena Madureira, Manoel Urbano e Feijó

  Os dois pré-candidatos ao Senado Federal pela Frente Popular do Acre, senador Jorge Viana e ...

Jorge Viana defende medidas emergenciais para combater violência nas fronteiras

Senador diz que vai apresentar propostas para combater impunidade e ajudar segurança pública do país...

Jorge Viana cobra DNIT por mais frentes de trabalho na recuperação da BR-364

Em visita ao DNIT, senador relata o estado de conservação da rodovia e, no Ministério da Integração,...

Jorge Viana cobra de autoridades federais medidas contra o crime

Em audiência na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, parlamentar alerta para a deterioração...

Jorge Viana percorre BR-364 e defende união para garantir obras de manutenção

Senador visitou Sena Madureira, Manoel Urbano e Feijó antes de seguir para Tarauacá, e diz que irá r...

Jorge Viana: "Pesquisa é o retrato do momento. Boa para nós e ruim para a oposição"

Senador comenta dados da Vox Populi, que mostra uma disputa acirrada para o governo do Acre O senad...